50 anos da SEDES

Desde 1970 a pensar Portugal

Por um desenvolvimento económico e social ao serviço dos portugueses

NOTÍCIAS

A Sedes Algarve esteve reunida com o Presidente da Câmara Municipal de Aljezur
Jul. 31, 2021
A Sedes Algarve esteve reunida com o Presidente da Câmara Municipal de Aljezur e abordou os ...
4ª Presidência Europeia da União Europeia : o que se fez e o que fica para o futuro
Jul. 29, 2021
A Sedes e a Nossa Europa enumeraram 7 áreas prioritárias para a Presidência Portuguesa do ...
Álvaro Beleza, respondeu ao famoso questionário de Proust em entrevista ao Diário de Notícias
Jul. 21, 2021
"Heróis? Churchill pela liberdade que deu à Europa e Nuno Álvares Pereira pela coragem" O ...
A SEDES reuniu em Lisboa com Conselheiros das Comunidades Portuguesas, no passado 14 de Julho de 2021
Jul. 14, 2021
Álvaro Beleza reiterou no encontro que as Comunidades Portuguesas  são " um activo ...
EVENTO

Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica de Portugal

Rui Moreira, Nuno Botelho e Francisco Assis
O Futuro da Universidade e Start-Up Nation
Preparação do V Congresso

O Futuro da Universidade e Start-Up Nation

Com o Professor Peretz Lavie, Presidente do National Council for Civilian R&D de Israel

 

SEDES é “herdeira ética” de Sá Carneiro e rejeita extremismos – Álvaro Beleza

 
Lisboa, 04 dez 2020 (Lusa) – O presidente da SEDES, Álvaro Beleza, afirmou hoje que a associação cívica SEDES é a “herdeira ética” de Francisco Sá Carneiro, e que, não sendo um partido, rejeita extremismos “tanto à esquerda como à direita”.
 
“Quero dizer-vos que a SEDES é herdeira da ética, da abertura de espírito e da coragem intelectual com que Francisco Sá Carneiro vincou a vida pública portuguesa”, declarou o médico, dirigente socialista e presidente da Associação para o Desenvolvimento Económico e Social, Álvaro Beleza.
 
A referência a Sá Carneiro, “uma das personalidades mais ativas” da SEDES, no dia em que se assinalam 40 anos desde o seu desaparecimento, foi feita na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, a propósito do 50º aniversário da associação cívica, fundada em 1970.
Salientando que a associação “não era – nem é – um partido político”, Álvaro Beleza notou que a SEDES “é hoje o que sempre foi: um centro de reflexão aberto à sociedade civil, uma escola de pensamento ao serviço de Portugal”.
 
“Não faz política, mas também não é apolítica, rejeitando – como sempre rejeitou – o ideário simplista e populista dos extremos, tanto à esquerda como à direita”, declarou.
O presidente fez questão de salientar que a associação está onde sempre esteve: “do lado da moderação, não do radicalismo; do lado da tolerância, não da retórica que discrimina consoante a raça, o género, a religião ou a classe social; do lado da solidariedade social, não do paternalismo político”.
Álvaro Beleza apontou que Portugal tem hoje “uma das maiores dívidas do mundo” e “uma das taxas de desemprego entre jovens mais elevada da União Europeia”, alertando para o facto de o país ter uma democracia “em que mais de metade dos eleitores não vota em legislativas e uma economia onde cerca de metade da população depende financeiramente do Estado”.
“Comprometemo-nos assim, hoje e aqui, a oferecer ao país uma visão de futuro estruturada em propostas concretas, estudadas e quantificadas; a oferecer um conjunto de soluções capazes de corrigir as nossas vulnerabilidades e de aumentar de forma significativa os nossos índices coletivos de desenvolvimento”, rematou.
 

"É justo reconhecer o que foi o papel da SEDES nestes últimos 50 anos, mas mais do que uma homenagem importa ter presentes as questões"

 
Após o discurso do presidente, foi exibida uma mensagem em vídeo do secretário-geral da ONU e associado 268 da SEDES, António Guterres.
"É justo reconhecer o que foi o papel da SEDES nestes últimos 50 anos, mas mais do que uma homenagem importa ter presentes as questões com que nos confrontamos hoje, no domínio cívico e político, no desenvolvimento económico, em matéria ambiental e de sustentabilidade e no que diz respeito à pandemia da covid-19. Estou certo que a SEDES contribuirá com a qualidade do seu trabalho e a carreira dos seus membros para nos ajudar a melhor compreender o tempo presente e a superar os desafios que este nos apresenta", considerou.
Fundada em 1970, no período da ditadura conhecido por "primavera marcelista", quando se esperava uma abertura significativa da sociedade, a SEDES é uma associação cívica que tem por missão contribuir para o desenvolvimento económico e social do país.
 
Entre os membros desta “escola de cidadania” encontram-se nomes como o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o secretário-geral da ONU e ex-primeiro-ministro, António Guterres, o falecido chefe do Governo Francisco Sá Carneiro, os economistas/banqueiros João Salgueiro e Rui Vilar, o ex-dirigente da UGT João Proença, ou os ex-ministros João Cravinho e José Vera Jardim.
 
Para 2021, a associação tem já marcado o seu V congresso, onde serão apresentadas propostas estratégicas para as próximas décadas.
 
ARYL // JPS
Lusa/Fim
ID:30162537
Localização:Lisboa, Portugal
Temas:História, Economia (geral), Clubes e associações, Política, democracia, Sociedade, Sociedade (geral)
Copyright:©️ 2020 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
 
 
 
 
 

 

DOCUMENTOS

Documentos Sedes

Programa Sedes 2020-22

Programa Sedes 2020-22

A SEDES foi constituída há 50 anos, por iniciativa de um grupo de jovens quadros universitários, a que se juntaram personalidades dos setores mais dinâmicos da sociedade portuguesa à época, para o estudo e promoção do desenvolvimento económico e social do País.

Reforma do Sistema Eleitoral

Reforma do Sistema Eleitoral

Há muitos anos que muitos portugueses anseiam pela reforma do sistema eleitoral que reforce o poder de escolha dos eleitorese responsabilize os eleitos, dando remédio à visível decadência do sistema político.

HISTÓRIA

A SEDES é uma das mais antigas associações cívicas portuguesas.

Constituída em 1970, os seus fundadores eram oriundos de diferentes formações académicas, estratos sociais, actividades profissionais e opções políticas.